Thais Godinho: Produtividade Criativa

RSS
Dec
27

A casa na montanha

tumblr_mscw0bi7lV1rwe56eo1_1280

Eu sinto uma atração inexplicável por florestas, cheiro de mato e ver o mundo de cima das montanhas. Também gosto bastante do tempo frio.

Há alguns anos, praticava hiking (trilhas + camping). Ainda é o meu esporte preferido. Não pratico há anos, desde que o meu filho nasceu.

O que mais me atrai no esporte é poder ter um pouquinho de cada um desses lugares que gosto tanto no meu cotidiano, mesmo que por apenas um dia ou dois. É a possibilidade de viver livre, apenas caminhar por aí, e olhar o mundo do alto. E o silêncio. Puxa, essa é uma parte importante.

Quando penso nos meus sonhos, sempre me vem à mente uma casa no alto de uma montanha, no meio da floresta, onde eu consiga ver as outras colinas ou o mar. Vejo nuvens, o tempo está frio. O cheiro do café entra pelas minhas narinas. Me enrolo em uma manta para ler meu livro.

Acho que esse acaba sendo o meu cantinho especial que imagino toda vez que fecho os olhos e quero me confortar de alguma maneira, sem pensar na vida como um todo. Eu apenas me imagino ali, sentada, vendo a vida passar. Just a fool on the hill, watching the wheels.

Algum dia, talvez.

Dec
23

Star Wars: O despertar da força

[warning]Todas as resenhas deste blog contém spoilers. Sorry.[/warning]

Eu não sou geek super viciada em Star Wars, mas gosto da série e já assisti as duas outras trilogias pelo menos cinco vezes. Não assisti “O despertar da força” no primeiro dia (fui no sábado, thought).

Muitas pessoas reclamam que o filme foi uma “cópia” do filme 4 (o primeiro da trilogia original – “Uma nova esperança”). Existe uma teoria que diz que Kylo Ren vai completar o que Anakin não conseguiu concluir e, por isso, tal semelhança foi necessária para mostrar os rumos diferentes que cada personagem toma a partir de uma mesma concepção. Seria muito ingênua se acreditasse nela mas, ao mesmo tempo, não consigo ver um fim para a trilogia nova que não acabando meio que de vez com o lado negro da força.

Ao contrário de muitos fãs da série, eu gostei do Kylo Ren. O fato de ele tirar a máscara e se mostrar vulnerável tantas vezes foi um diferencial – humanizou o vilão, diferente de como conhecemos Darth Vader lá atrás. Fora que eu gostei muito da atuação do Adam Driver (já o achava meio esquisito – no bom sentido – desde que assisti aquele filme dele com o Ben Stiller – “Enquanto somos jovens”).

Pra completar a trajetória hipster, ele também poderia ter interpretado Steve Jobs (que, aliás, tenho certeza que foi a inspiração dele para o papel acima)

Pra completar a trajetória hipster, ele também poderia ter interpretado Steve Jobs (que, aliás, tenho certeza que foi a inspiração dele para o papel acima)

Também não achei a morte do Han Solo chocante ou desnecessária. Ben precisava fazer aquilo para seguir em frente sem fantasmas.

Sobre Rey, nossa nova heroína: de cara achei que ela parecia uma Skywalker. Gostei maravilhosamente de ter uma heroína na nova saga, mas me irrita um pouco ser unicamente porque feminismo e vangloriar minorias estão na moda, e não porque genuinamente seria legal ter uma mulher, um negro e um hispânico em destaque no novo filme.

Uma coisa que não gostei foi da relação entre a Rey e a força. Em um primeiro momento, ela a nega. Depois, simplesmente usa a força para manipular o stormtrooper. Na sequência, ela em um insight enquanto está lutando com o Kylo Ren e aí sim assume a força como parte de si. Eu achei que ficou forçado o uso com o stormtrooper. Posso estar errada, mas foi a impressão que eu tive. Anos de treinamento jedi para desenvolver a força e uma pessoa que a estava negando até então de repente sabe usar como por intuição. Sei lá!

Sim, eu também já amo muito o BB8.

Sim, eu também já amo muito o BB8

Se eu gostei do filme? Sim! Com certeza já é o meu segundo preferido (nenhum jamais superará “O império contra ataca”). Desanima ter que esperar anos e anos até o final. Essa é a pior parte de gostar de qualquer série.

Uma coisa que me chamou muito a atenção foram os cuidados com os efeitos especiais. A segunda trilogia pecou demais nisso, mostrando efeitos mais modernos que a trilogia original. Eu achei que desta vez a fotografia respeitou bem o estilo da saga. Certamente a equipe responsável pelos filmes sabe a responsabilidade que tem e o que fazer para agradar os fãs.

Eu sinceramente acho o Luke um pouco sem sal e não gostei nem desgostei da aparição dele no final.

Me emocionei quando a Leia encontrou o Han Solo novamente pela primeira vez. Aliás, me emocionei diversas vezes vendo esse filme. Achei ele bastante fiel e nostálgico. Parece que um mundo novo e maravilhoso teve as portas abertas novamente, e é muito legal fazer parte disso.